A ideia da nossa jornada começou quando ouvimos falar de WWOOF pela primeira vez. Ficamos tão encantados com a proposta que podemos dizer que o WWOOF foi a maior motivação para a nossa viagem. Por isso, tínhamos uma expectativa bem grande para fazer “wwoofing” pela primeira vez.

A região da Floresta Negra no sul da Alemanha foi nossa escolha, um belíssimo lugar com uma grande e antiga tradição de agricultura e pecuária na Europa. Ficamos duas semanas em uma fazenda chamada Schwörerhof, próxima da cidade de Titisee-Neustadt, hospedados em uma casa típica da região onde mora a família que cuida da fazenda. Tobias, o fazendeiro e pai da família, sua esposa Dorothea, suas duas filhas, e os pais de Dorothea, todos alemães.

https://i1.wp.com/216.172.172.55/~torin042/jornadaviva.com/wp-content/uploads/2015/10/WWOOF-Schworerhof01.jpg?resize=1080%2C608

O TRABALHO

Como a atividade principal da fazenda é a criação orgânica de gado, quase todos os trabalhos que realizamos foram relacionados a isso, mesmo sem termos trabalhado diretamente com os animais. O acordo foi de trabalhar 6 horas por dia e 6 dias por semana, o que é um pouco mais do que o normal no WWOOF, mas por ser nossa primeira experiência decidimos aceitar o desafio. E trabalhamos bastante!

Nossa primeira função foi limpar o estábulo onde as vacas ficam durante o inverno. Remover todo o esterco, lama, feno, etc e finalizar com o jato de água, deixando o lugar pronto para o próximo inverno.

Ajudamos também a colher o feno, uma tarefa que precisa ser realizada num momento exato do verão e que mobiliza toda a fazenda. É um trabalho muito importante para a fazenda pois o feno que é colhido no verão será o alimento dos animais durante todo o inverno. Ficamos responsáveis então por juntar o feno em montes com o trator, para que a máquina pudesse colhê-lo, e também armazená-lo com uma gigantesca “garra de pegar bichos de pelúcia.” Certamente a parte mais legal dessa experiência!

Outros trabalhos que realizamos foram reparar um galinheiro, construir cercas, preparar o material que tiramos do estábulo para a compostagem, além de outros trabalhos domésticos como ajudar a limpar a casa que eles alugam para turistas, e também cozinhar o almoço para a família durante uma semana.

O LUGAR

A região da Floresta Negra é famosa por suas incríveis vistas, vales verdes por todos os lados e cidadezinhas pitorescas. Em meio a tudo isso, inúmeras fazendas com suas casas de arquitetura bem típica complementam a paisagem. As fazendas são passadas de geração em geração, então tradições de décadas atrás ainda são bem preservadas e presentes em todas as famílias da região.

A fazenda onde estivemos ficava perto da cidade de Titisee-Neustadt, cuja atração principal é o pequeno mas belíssimo lago de Titisee, ótimo para tomar banho e se refrescar no intenso verão da Alemanha.

No tempo livre aproveitamos também para conhecer o vale do rio Danúbio com seus impressionantes cânions e o vale do rio Reno, a caminho do festival de rock progressivo Night of the Prog.

A EXPERIÊNCIA

Vivenciar o dia a dia na fazenda, trabalhar em contato com a natureza, aprender e desenvolver novas habilidades, conhecer culturas e pessoas de outros lugares – estes são alguns exemplos do que nos motivou a fazer WWOOF. E podemos dizer que nossa primeira experiência conseguiu corresponder a todas as nossas expectativas. Trabalhamos bastante, até mais do que esperávamos, e para quem estava acostumado a passar o dia todo em frente ao computador, conseguimos compreender melhor o valor e a importância do trabalho manual, não só pelo trabalho em si mas também para nós mesmos. Além de que a noite é muito melhor dormida quando o corpo está realmente cansado.

E depois de um longo dia de trabalho, nos reunir com a família para jantar, conversar e ficar observando entardecer no vale completava a experiência de virar fazendeiros pela primeira vez.

Com os nossos hosts Dorothea e Tobias e suas filhas Hanna e Larissa

  • Bruna Isensee Benevenutti

    Quanto tempo vocês ficaram trabalhando ? Tem algum tempo máximo ou mínimo de duração?

    • Nesse lugar ficamos duas semanas. Mas isso varia de lugar pra lugar, nós ficamos de uma semana até um mês em diferentes lugares, não tem um tempo máximo ou mínimo, tem que ver isso direto com cada lugar.