Como sabíamos que seria inevitável fugir totalmente do rigoroso inverno europeu, organizamos nosso roteiro para ir cada vez mais para o sul quando o frio chegasse. Nosso destino então foi a Turquia, o máximo ao sul que poderíamos ir no leste europeu. E apesar da nossa estratégia não ter dado muito certo e quase termos congelado, tivemos duas semanas incríveis com uma imersão cultural incomparável a qualquer outra experiência até agora.

Jornada Viva - Workaway Turquia

O LUGAR

A fazenda Narköy, onde trabalhamos e ficamos hospedados, fica no norte da Turquia a poucos quilômetros do Mar Negro. É uma fazenda grande com vários campos com plantações, estufas e muitos animais como cabras, ovelhas, cavalos, vacas, galinhas, patos, cachorros e gatos por todos os lados. Anexo à fazenda tem também um restaurante e um hotel onde eles fazem cursos e workshops sobre cultivo orgânico, permacultura e assuntos relacionados.

A fazenda e o hotel têm vários funcionários e foi com eles que tivemos o primeiro contato. Apesar de eles não falarem praticamente nenhuma palavra em inglês, tivemos uma recepção bastante calorosa e já pudemos perceber o quanto os turcos são pessoas muito queridas e sempre dispostas a agradar.

Além dos funcionários também convivemos e trabalhamos com outros workawayers: uma japonesa e dois americanos.

Os donos da fazenda, Ahmet e Nar, eram os únicos que falavam inglês e apesar de não termos tido tanto contato com eles, pudemos perceber que tinham um grande coração e que eram como se fossem os pais da grande família que era a fazenda e todas as pessoas envolvidas.

Além da casa dos donos da fazenda, a fazenda tinha também duas grandes tendas onde se dava a maior parte da convivência dos funcionários e voluntários. A tenda principal era onde fazíamos todas as refeições, trabalhávamos durante os dias de chuva e neve e onde passávamos o tempo livre que tínhamos nos aquecendo no fogão a lenha. A outra tenda era onde a gente e os outros workawayers dormíamos, sempre com quilos de cobertores e sacos de dormir já que lá só tinha um pequeno aquecedor movido a cascas de avelã.

E em todo e qualquer lugar, dezenas de gatos sempre querendo colo e carinho como se fossem cães.

Jornada Viva - Workaway Turquia

O TRABALHO

Mesmo estando no meio do inverno, tinha muita coisa para ser feita na fazenda todos os dias, e provavelmente nunca tivemos tantos trabalhos diferentes em um só lugar.

Na primeira semana que estivemos lá ainda não estava nevando então pudemos fazer bastante coisa fora como ajudar na plantação de cebola, alho e feijão, colher saladas, limpar verduras recém colhidas, levar as cabras e ovelhas pra pastar, pegar lenha e várias outras coisas.

Já na segunda semana o tempo piorou e nevou bastante, então entre outras coisas trabalhamos nas plantações dentro das estufas, limpamos os estábulos e ajudamos a tirar leite das vacas. Mas na maior parte dos dias ficávamos mesmo dentro da tenda principal descascando cebola e alho, quebrando avelãs e separando grãos de trigo.

Além disso também sempre ajudávamos a colocar a mesa para as refeições e nos revezávamos para lavar a louça do jantar.

Trabalhamos de segunda a sexta-feira, 6 horas por dia: 3 horas pela manhã e 3 pela tarde.

Quem nos dava as instruções do que fazer e também trabalhava conosco grande parte do tempo era Huriye, provavelmente uma das mulheres mais fortes e incríveis que já conhecemos; era responsável pela fazenda quase inteira, estava sempre de bom humor e mesmo sem falar uma palavra de inglês estava sempre interagindo conosco e nos ajudando com tudo.

Jornada Viva - Workaway Turquia

Com a Huriye, que era responsável por nós

A EXPERIÊNCIA

Imersão cultural, trabalho, bom humor, frio, gatos e muita comida boa. Essas são algumas palavras que podem resumir as duas semanas que passamos na Turquia. Ficamos completamente inseridos dentro da rotina de trabalhadores turcos, compartilhando o dia a dia da vida na fazenda, uma vida simples porém riquíssima.

Não tínhamos nenhum luxo, dormíamos em uma tenda simples e tínhamos que enfrentar a neve para chegar ao banheiro e ainda torcer para que a água do vaso e da torneira não estivessem congeladas.

Por outro lado estávamos cercados de pessoas incríveis, natureza, animais, uma cultura diferente, muita generosidade e ótimos momentos. Sem contar a satisfação de trabalhar com a terra e literalmente colher de manhã o que se come no almoço. Comida orgânica fresquinha preparada no fogão a lenha.

Uma experiência única que com certeza mudou nossas vidas.

E de brinde, no nosso dia de folga ainda tivemos a oportunidade de conhecer Kerpe, um lugar belíssimo no Mar Negro com formações rochosas impressionantes e vistas de tirar o fôlego.

Jornada Viva - Workaway Turquia

Na nossa despedida da fazenda junto com os outros workawayers: Conner do Havaí e Eleanor de Chicago.

  • Leonardo Souza

    Gostaria de fazer uma pergunta:
    Vocês tem muitos gastos ? Digo, para realocação e viagens ? Estou com um projeto de começar a viajar mas tenho receio de ir com pouco dinheiro ou até de ir com muito!!!

    • Olá Leonardo, pedimos desculpas pela demora na resposta.

      Como nós estamos viajando há muito tempo e passando por muitos lugares diferentes nós temos bastante gastos sim. O maior gasto com certeza é com transporte de um lugar a outro, mas gastamos também com hospedagem e alimentação quando fazemos turismo e muitas outras coisas que nem sempre estávamos planejando. Podemos te dizer que não existe isso de “viajar com muito dinheiro”, você sempre vai gastar mais do que estava esperando! Mas vai depender bastante de quantos lugares pretende ir e por quanto tempo quer viajar, já tiveram vários lugares onde fomos que não gastamos praticamente nada. Estamos preparando um post sobre o quanto gastamos em 1 ano de viagem em todos os lugares por onde passamos e esperamos colocar no ar logo! Abraços!